quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Alegria da cidade


A festa da purificação é um acontecimento extraordnário para nosso povo,são nove dias(este ano foram seis)de contentamento e ostentação nos seus modelitos,em incansaveis voltas soberbas na praça da matriz e no "bagacinho",típicos do orgulho do nosso povo que sempre quer ser visto como metropolitano,sentadas nos bancos e batentes para falar da vida dos outros,reencontros com quem anda em outras bandas ,a linda novena cantada e o parque que encanta Gustavo e me apavora pela falta de segurança e carinho com as crianças.Há muito tempo,desde quando fui morar na praça,que meu encantamento de Santamarense pela festa de Fevereiro,não é mais igual ao dos meus conterrâneos sinto aflição,rezo para Nossa Srª da Purificação que acabe tudo muito rápido,sem que os meus tomem um pau da policia ou sejam assaltados pelos marginais que invadem a cidade neste período.Este ano foi diferente,não voltei ao meu efusismo de adolescente,entretanto estou apaixonada pela "charanga",nasci e estou envelhecendo em Santinho e só tive a sorte de acompanhar o cortejo da lavagem até o final este ano,do Bonfim ao Trapiche de baixo vi a manisfetação da felicidade,alegria em estado puro ,foi ali que entendi o carnaval como manifestação popular,que inclui,que não reproduz o navio negreiro.Acompanhar a charanga é reconhecer o Santo Amaro ideal,igualitário,pessoas que contam a história da nossa cidade,família,raízes,musicalidade,e verdade,a charanga nos identifica como realeza,casas abertas,esbanjando generosidade,refrescando a todos com água em banhos de mangueiras ou de baldes,ou em suaves doses etilicas.Não houve brigas,como nos blocos de trios eletricos,não me senti humilhada pelo repertório musical,uma delícia marchinhas,frevos,samba reggae,sair correndo lambretinha e dar boas risadas com a viadagem da politicagem daqui.Dei os meus vexames,agarrei,dei tantos abraços apertados, exaustivos e beijos sufocanes em amigos e desconhecidos(nenhum na boca,kkk),contei mentiras gabulosas sobre as belezas naturais de Santinho ao maestro do Ilê Aiê,fiz gozação dos crentes que tomaram a sala de ensaio da Filarmonica Filhos de Apolo,tomei uma queda,fiquei com a perna presa na "boca de lobo",sair salva e cheia de hematomas,fiz um discurso inflamado sobre a importância do planejamento familiar,sobre a vergonha do IDH brasileiro,corrupção e exclusão social,para os cordeiros do bloco "Tatu da madrugada",seduzi um velhinho descendo até o chão,cuspi água na cara dos amigos.Estou feliz,descobri que por mais desgraçada que minha cidade esteja,mesmo o tempo escondendo o que há de melhor,antes que meu coração fosse só mágoa,desesperança e saudade do que não vivi,existe em nós histórias,famílias,gentileza,atrás da charanga,acontece o espetaculo popular,lindas canções,lindos sorrisos,tempo de romance.Espero que se reveja o que é a nossa identidade,defronte a nossa matriz,o espaço seja dedicado as nossas riquezas,ao que é vivo e pulsante em nós,que o trio e seus jovens tristes e plastificados com corpos outdoor passem para um percurso particular,que o chão da praça seja das nossas manifestações populares,da nossa tradição mulata,da nossa fé em Nossa Srª da Purificação,voltar-se pra dentro com alegria e orgulho da nossa velhinha banguela, mas que pra sempre será de todos nós "Santamarenses",essa é a revolução!

4 comentários:

Marih disse...

Santa charanga, hein??!
Brincadeiras pra lá fico feliz que vc tenha podido observar tudo isso na charanga.Eu gostaria de ter estado lá! Mas também tenho que dizer que o outro lado da festa, o da roda gigante enferrujada e das brigas sangrentas, também festa! E me arrisco a dizer que talvez esse seja mais festa do que a histórica charanga( que me atrai muito mais do que os "pagodões")porque é essa festa que leva as pessoas para as ruas, é ela a que sufoca a Novena que faz o povo vibrar e manter a viava (ao menos no nome FESTAS DA PURIFICAÇÃO) a tradição!
De mais a mais... Não sei se vc vai gostar do meu comentário!
...
Bjocaa

Cartas aos bons amigos disse...

Gostei muito Maricota!Estamos tão carentes de autenticidade,que a charanga tão presente no nosso convivio tornou-se algo extraordinário,talvez a maioria goste mesmo do "rebolation" e na segunda-feira não aconteça a missa da novena para que os blocos particulares possam passar,ou quem sabe,sob as bençãos da Nossa Padroeira um milagre se faça presente e a "massa rebolativa" com camisas de propaganda se reconheça nos sambas,chulas e frevos...no chão da praça

Hesli Fabricio disse...

Santa charanga mesmo. A gente descobre que é feliz em momentos como esses em que curtimos sem pudores e não ligamos para quedas em bueiros. Curtir, fazer os outros curtirem , ser chato e pertubar, cantar, dançar (mesmo que desengonçado como eu). As felicidades voam e o impartante é que nesses momentos saimos do chão e voemos com ela (me inspirei vou reformular e fazer um poema ahuauha). Ámalia você é a garota do buraco, um buraco sem espaço pra encaixes pois está possuido de alegria. No buraco nunca nos afundaremos. ADOREI O TEXTO

anna disse...

Momento lindo das festa da Purificação! Desde que fui pela primeira vez que nao perco mais. Acompanhando a velha charanga eu me sinto livre, sem medo de tomar um murro de graça, vejo as pessoas esbanjando felicidade pelas ruas... E ainda tive a sorte de encontrar com você e acompanharmos o cortejo, comemorarando tb sua vitória!!