quinta-feira, 29 de abril de 2010

Onde mora a burguesia?Na universidade federal da Bahia!

Quando pela primeira vez fiz vestibular,foi pela UFBA.Estava grávida de sete meses,quando tive que providenciar toda a papelada da matrícula,era uma garota do interior,não sabia andar de coletivo,não conhecia sobre leis,apenas gostava de desenhar ,cantar e pintar,meu sonho era transformar o mundo através da arte,a universidade seria a mentora desta minha revolução.Tudo mudou quando tive que ir ao*SGC,barriga na boca,burocracia e uma total falta de humanidade, gentileza e educação.Foi assim que conheci o ambiente acadêmico,professores sem um pingo de sensibilidade para as questões sociais,salas de aula em péssimas condições,conteúdo terrivelmente técnico,ambiente altamente elitista,e a “pesquisa”?Vazia.Era terrível acordar as 04:OO hs para pegar um ônibus,assistir aulas,que pouco me diziam,quando diziam,porque geralmente os professores não tinham a menor vergonha em nos enrolar,principalmente quando estavam defendendo suas teses.Devo fazer uma ressalva,adorava as aulas das disciplinas de arquitetura, estética com Sarja.Em EBA,minhas melhores lembranças estão em modelo vivo,com Onias,e no atelier de gravura com meu querido DUDA.Tinha horror aos renomados artistas plásticos e suas poses de semi deuses,não tive tempo para nada,me faltava tesão,Belas Artes era broxante.Conheci pessoas legais,sim,em todos lugares existem,mas a função que uma instituição de nível superior deve exercer,eu nunca vi,via um monte de gente afetada,pós modernas com seus óculos coloridos,esperando a fama.Foi muito sofrido,acordar cedo,gastar aos tubos com transporte,material,alimentação.Perdia por falta,trancava em demasia,meu escore era uma vergonha,fui jubilada,fiz vagas residuais ,passei,mas como eu,trabalhando de dia,filho pequeno,e financeiramente fudida,poderia dá–se ao luxo de cursar a federal?Ouvi de uma professoraou vc escolhe pari ou estudar na FEDERAL!Um momento,como aceitar esse determinismo?As outras instituições possibilitam o acesso de quem precisa pari,trabalhar,mas a unidade de ensino mantida pelo dinheiro público exclui quem é mãe e trabalha?A UFBA é um ambiente de exclusão.Final do ano passado fiz meu segundo vestibular,UFBA de novo,só que agora não quero uma revolução apenas com arte,minha revolução está amparada nas Humanidades,na POLITICA,e na minha experiência com o SGC,procurei um curso noturno que representasse o que sou,que me desse todos os instrumentos científicos para me preparar nessa minha verdade,encontrei *FFCH,um curso do*NEIM,ESTUDOS DE GÊNERO E DIVERSIDADE,era exatamente o que queria,feminismo,feminista.Fiz ,passei.UFBA Nova com toda gabolice do magnânimo reitor,com seu discurso cafona de supremacia do ensino superior da Bahia,me faça uma garapa!Apesar de toda a assistência e competência dos docentes do meu curso,a UFBA continua um local para a manutenção da burguesia,existe um orgulho de se dizer:passei na UFBA,sou estudante UFBA,formei na UFBA.E a evasão?O dinheiro público investido em pesquisas com resultados praticáveis?Onde estão os profissionais para ocupar as lacunas?A prestação de contas?A assistência aos estudantes de baixa renda?As políticas de inclusão dos alunos da rede pública,nessa instituição tão” maravilhosa”?Onde e quando teremos o Campus de São Lazaro,em condições para ter aulas no período noturno?Por que a estrutura de todas as unidades não são iguais?Exemplo:Belas Artes =Administração,quando?Estão acontecendo eleições para o*DCE ótimo se estivessem promovendo,mas a palavra é envenenando do processo democrático.Campanhas agressivas,dispendiosas.Votei na oposição,mas não vi a cara do povo ainda na UFBA.Estou estudando sobre dicotomias,democracia,emergências do gênero,gosto muito,entretanto o desafio de sair da teoria e ir para prática,esse encontra maior resistência onde deveria de fato acontecer ,no ambiente acadêmico.A UFBA não é nova,não é democrática.É impossível até mesmo comer no restaurante universitário,entre todos do país,ele tem o maior preço,não vejo brasilidade nessa instituição,ela ainda é normatizada pelos brancos,ricos,herdeiros,pela hegemonia do privado,existem as preferências até pelos cursos mais tradicionais e burgueses,afinal de contas,são neo liberais,lucro,"money",honey.Não é nenhuma novidade ver onde mora esse povo,indecentemente custeado pela maquina pública,estão sugando o sistema,lendo Karl Marx,Norberto Bobbio,Adorno e fumando um pra relaxar,porque a burguesia também sofre meu bem,mas não faz poesia!








*são siglas de orgãos e faculdades que compõe a UFBA

Nenhum comentário: