segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Minha velhinha feliz!


Se existe momento onde sinto minha cidade feliz,é o entardecer no sábado.Caminhando pela rua do Amparo,os moradores que colocam as cadeiras nas portas das casas para ver o povo passar e saber da vida dos "outros".Olho da barraca de seu Mané o céu azul celeste e o horizonte que vai para o Bonfim num amarelinho desbotado,cumprimetar Gracinha e suas meninas,os velhos rapazes de sempre do bar de Tote,que pergunto o resultado do Bahia(tem os torcedores do vitória que tripudiam de mim,com o infortúnio do Bahia),observo o telhado reformado da igreja,aceno para alguns conhecidos sentados atras da prefeitura,paro para conversar com alguma amiga,muitas vezes Camila e Larissa,quando chego na praça da Matriz o céu já está escuro.Na praça algumas crianças andam de bicicleta,vou na soveteria de Conchita para conversar com meu amigo Claudinho,geralmente tomo sorvete de umbú e chupo pirulito do amor,a praça fica deliciosamente silenciosa neste horário.Deixo Guga correr solto e fazer novas amizades,não me atrevo nos dias de domingo.Sigo com pressa,limpar as peraltices de Guga,observo com grande pesar a juventude que frequenta o Bar de Salvador,meu filho pede encarecidamente que deixe brincar no adro da igreja,sento defronte a casa das Marques,com muita discrição e longe dos "senadores".Telefono pra Thiago meu filho mais velho,dou risada com namoro dos adolescentes ao lado,elogio pela enésima vez a casa de Pedrita,falo com os clientes do Bistrô do miúdo,rezando para que não me chamem e Guga deseje comprar todas as guloseimas do bar,converso com o povo que fica na porta de casa.Sigo sentindo saudade!

4 comentários:

Marih disse...

É Amália, eu todos às tardes acredito q Santo Amaro seja feliz, me basta olhar pela tarde e ver um restinho de sol, as folhas verdes e sufocantes(eu sempre tenho essa impressão) do quintal da vizinha, não sei... Apesar dos pesares,(que não são poucos no que diz respeito à nossa cidade)insisto em dizer que Santo Amaro é o paraíso perdido. Durante as semanas morro de saudades disso, do gosto do sorvete de Claudinho, do quente das fofocas, da displicência de Karine, do abraço do meu irmão e(claro) de ir à sua casa e Guga me olhar com cara de 'nem te ligo' e depois de muita insistência me dar o beijo mais puro que pode existir.
Bjoca!

claudio disse...

E que conversas maravilhosas!!!!
Na verdade, estar com AMÁLIA PATRÍCIA é sempre uma delícia!!!
Uma amiga para todas as horas, sempre disposta a ajudar e ser ajudada(rsrsrs), com conselhos e previsões quase sempre corretíssimos!!!!
Te adoro AMIGA, posso escrever assim, com todas as letras, pois sei que és minha verdadeira amiga!!!!!
Te amoooooooo d+!!!!!!

luizinho disse...

Ao ler o comentário anterior escrito pela amiga Marih, pude perceber certa angustia e um tom de descontentamento quando se refere a nossa cidade(sem criticas), então peço permissão em tom de manifesto para declarar-me.
Não tem muito tempo, acho q cerca de 20 dias, enquanto batia um papo com uns amigos a frente da casa de minha avo (ao lado do Chapéu de Palha) olhava atentamente um aglomerado de crianças batendo aquele saudoso baba da praça. Baba este, que durante muito tempo participei na minha infância e porque não, na minha adolescência.
Reparava os pés descalços dos guris, reparava ainda q uns tinham mais habilidades q os outros, reparava os xingamentos tipo (porra, idiota,vc é burro), e os gritos de (aqui, aqui, toca a bola aqui), e o gol, era feito com as sandálias dos guris.
Naquele momento, num passe de mágica, voltei ao passado. Era como se eu estivesse ali, gritando, xingando, pedindo a bola louco pra marcar um gol. Incrível, era tudo muito igual.
Naquele momento me desliguei por inteiro do presente, e quando voltei fiquei muito feliz, porque pude perceber que quem mudou, fomos nós, feliz em saber que nossas raízes estão vivas e ainda pode nos dar bons frutos.
Quero dizer que, com todas as dificuldades, Santo Amaro sempre será o meu paraíso.
Para finalizar, parabenizo essa pessoa maravilhosa, que a pouco tempo me tornei amigo e agradece-la por fazer o seu papel de Cidadã Santamarensse.

Um beijão
Amapagu Cazumba

Marih disse...

Luizinho,
você é esperto e entendeu bem a mensangem! Existe sim uma angústia no meu comentário, aliás uma não, duas. Contudo uma delas não interessa aqui expor. Mas a outra sim, e já que ouvi você(que eu não conheço e portanto perdão se o tratamento adequado for Sr, pela conversa inferi que é mais velho que eu...)em tom passadista falar em cidadã santoamarense ao referir-se a queridíssima dona deste blog e então quero começar deixando claro que este é o nosso ponto em comum. E é este mesmo tom que me põe angústia e melancolia quando vejo o HOSPÍCIO que a Pça. da Purificação se transforma todos os domingos. É triste ver aquilo e saber que aquela gritante( mas que parece não ser alta o suficiente para atingir quem possa tomar providências) situação incomoda crianças, adultos providos de juízo e decência, e principalmente idosos que são impedidos de dormir, assistir tv, ler jornal, fazer tricô, ou sei lá mais o quê que se torne impossível devido ao barulho infernal de carros altamente munidos de aparato sonoro e pilotados por motoristas desajustados que encontram naquele pedaço sem lei ou vigilância lugar propício para exibição.
Portanto meu estimado Luizinho lamento informa-lhe que ao que presumo você viu tais crianças jogando bola durante o dia, num dia de semana, numa segunda, terça ou quarta-feira, não sei! Mas domingo a partir das seis da tarde tenho absoluta convicção que nehum pai informado sobre a nossa cidade permitiria! E assim Luizinho despeço-me, mas sem antes deixar de fazer um convite: vá uma noite de domingo qualquer à Pça. da Purificação.
Até Breve!